Comando Nacional de Greve do ANDES-SN será instalado nesta quinta (28)

Nesta quinta-feira (28), às 10 horas, será instalado na sede do ANDES-SN, em Brasília (DF), o Comando Nacional de Greve (CNG) dos Docentes das Instituições Federais de Ensino (IFE). Todas as seções sindicais das IFE, que deflagram greve no dia 28 de maio, deverão enviar delegados, um por cada seção, para compor o CNG. As que aprovarem deflagração de greve para dias posteriores, deverão fazer o mesmo.

Segundo Paulo Rizzo, presidente do ANDES-SN, o Comando Nacional de Greve ao se instalar passa a ser o órgão condutor da greve. “O comando tem a função de promover a unidade nacional dos professores em greve, incentivando e acolhendo as decisões de base,  da mobilização em nível nacional, para que a paralisação se consolide em todas as universidades. Uma vez instalado o comando, esse passará a discutir quais atividades que serão desenvolvidas para ampliar a mobilização e a pressão junto ao governo e forçá-lo a abrir negociações”, explicou.

Em relação a adesão dos docentes das IFE à greve, Paulo Rizzo conta que nunca uma greve, de todas ocorridas na história do ANDES-SN, começou com a adesão 100% de todas as instituições. “Em 2012, na maior greve do Sindicato, [a greve] começou, no seu primeiro dia, em 33 universidades, depois as adesões continuaram nas semanas seguintes. As condições de mobilização em cada Federal são diferentes”, explicou.

O presidente do Sindicato Nacional ressalta que a greve foi o último recurso encontrado pelos docentes para pressionar o governo federal a ampliar os investimentos públicos para a educação pública, e dar respostas ao total descaso do Executivo frente à profunda precarização das condições de trabalho e ensino nas Instituições Públicas Federais, muitas das quais já estão impossibilitadas de funcionar por falta de técnicos, docentes e estrutura adequada.

A proposta de deflagração da greve foi aprovada no dia 16 de maio, durante reunião do Setor das Ifes do ANDES-SN, em Brasília, com base nos indicativos apresentados pelas assembleias gerais realizadas por todo o país nas seções sindicais do Sindicato Nacional.

Fonte: CNG