Governo propõe reajuste salarial abaixo da inflação para os SPF

aO Fórum das Entidades Nacionais dos Servidores Públicos Federais (Fórum dos SPF) e outras entidades sindicais se reuniram na tarde desta quinta-feira (25) com o Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão (Mpog), em Brasília (DF), para negociar suas pautas de reivindicações. O Mpog, entretanto, apresentou proposta apenas para reajuste salarial – 21,3% parcelado anualmente de 2016 a 2019 – e não quis tratar das demais reivindicações.

bSérgio Mendonça, secretário de Relações de Trabalho do Mpog (SRT/Mpog), apresentou a proposta de reajuste parcelado, pago anualmente, nos meses de janeiro, de 2016 a 2019. No primeiro ano, de acordo com a proposta do governo, o reajuste seria de 5,5% – nos demais seria, em ordem, de 5%, 4,75% e 4,5%. Ressaltou que trataria apenas desse item da pauta de reivindicações, estando, do ponto de vista do governo, a negociação dos demais pontos e as reuniões setoriais dependentes do acordo em relação ao reajuste proposto.

O representante do Mpog afirmou que a proposta se baseia em um estudo realizado pelo governo, que levou em consideração aspectos tais quais o crescimento vegetativo da folha salarial dos servidores e a perspectiva de inflação e de retomada do crescimento do Produto Interno Bruto (PIB). Justificou-se também, lembrando que o Brasil passa por uma crise econômica e um processo de ajuste fiscal.

cPaulo Rizzo, presidente do ANDES-SN, esteve presente na reunião e lembrou que os SPF reivindicam reajuste de 27% em parcela única no mês de janeiro de 2016, e também que os trabalhadores querem discutir todos os pontos da pauta de reivindicações, não apenas o reajuste salarial. De acordo com o docente, todas as entidades presentes na reunião rechaçaram a proposta apresentada pelo Mpog.

Como o Mpog não tinha proposta sobre o prosseguimento da negociação, os servidores propuseram que uma próxima reunião fosse marcada para o dia 7 de julho, o que foi acordado. Nesse meio tempo, as entidades avaliarão em suas bases a proposta de reajuste.

Paulo Rizzo, ao final da reunião, criticou a proposta apresentada. “Como vamos nos comprometer com um acordo que estabelece quatro anos de reajuste sem saber qual será a inflação dos próximos anos? Nossa posição é que os acordos salariais devem ter apenas um ano de duração. Queremos que o governo reavalie a proposta, e também que debata os demais pontos da pauta de reivindicações dos SPF”, disse o presidente do ANDES-SN.

O docente ressaltou que o Fórum dos SPF tem reunião ampliada marcada para domingo (28), em Brasília, e que, nesse espaço, os servidores avaliarão conjuntamente a reunião com o Mpog e prepararão um calendário de ações até o próximo encontro com os representantes do governo federal. “Agora é aumentar nossa pressão, como mobilização e crescimento da greve. E trabalhar para que enchamos de gente a Esplanada dos Ministérios no dia 7 de julho, que também é dia da Caravana Nacional da Educação Federal”, concluiu Paulo Rizzo.