ANDES-SN, Fasubra e Sinasefe realizam ato Negocia Janine

negocia1Professores e técnico-administrativos em educação federal realizaram, na tarde desta sexta-feira (14), uma manifestação exigindo que Janine Ribeiro, ministro da educação, negocie com as categorias em greve. O ato, organizado pelos Comandos Nacionais de Greve (CNG) do ANDES-SN, da Fasubra e do Sinasefe, foi realizado no centro de Brasília, em frente a um hotel onde o ministro participou de um debate sobre educação.

O CNG do ANDES-SN tem realizado atividades que fazem parte da campanha da campanha #DialogaJanine, buscando estar presente e protestando em todos os eventos em que ele se fizer presente, exigindo que o ministro negocie com os docentes, em greve há mais de 70 dias. O ministro, no entanto, apesar de afirmar à imprensa que está aberto ao diálogo, nunca sentou em uma mesa de reunião com o CNG do ANDES-SN para discutir as reivindicações da categoria.

A concentração para o ato começou às 17h, em frente à Torre de TV, e logo reuniu mais de cem manifestantes. Perto das 18h, eles caminharam até a frente do hotel, onde entregaram panfletos que explicavam as razões e as reivindicações da greve da educação federal e cantaram palavras de ordem. Em seguida, os manifestantes fizeram falas no megafone, explicitando a situação de crise que vive a educação pública.

Em comum entre as falas estava a crítica ao ministro Janine Ribeiro por ele se negar a negociar com as categorias em greve, a crítica ao uso de dinheiro público na educação privada e, também, o rechaço aos cortes de mais de R$11 bilhões da educação que fazem parte do ajuste fiscal do governo federal. A contradição entre o lema “Pátria Educadora” e a real situação da educação pública também foi citada pelos manifestantes.

negocia2Leônidas Santana Marques, professor da Universidade Federal de Alagoas (Ufal) e membro do CNG do ANDES-SN, avaliou positivamente a manifestação. “Nós avaliamos o ato como vitorioso. Conseguimos captar a atenção da imprensa e das pessoas que estavam passando por aqui. Conseguimos passar nossas principais pautas à sociedade e dialogar sobre elas. A articulação entre as três categorias continua forte, unitária, e consegue pensar propostas para a greve da educação federal”, disse o docente.

A avaliação positiva foi compartilhada por Mário Junior, da direção nacional da Fasubra. “O ato foi positivo. Conseguimos unificar ANDES-SN, Fasubra e Sinasefe, e esse é o caminho que, na nossa opinião, deve ser seguido no próximo período. As ações unificadas causam impacto no governo, e podem remover a atitude intransigente na negociação”, afirmou o técnico-administrativo em educação.