SPF realizam atos em todo o país e exigem atendimento da pauta de reivindicações

adufpa esquerdaServidores públicos federais (SPF) de todo o país realizaram atos unificados em diversos estados e no Distrito Federal, na terça-feira (18), para exigir o atendimento imediato da pauta de reivindicações. O Ato dos Servidores Públicos Federais nos Estados foi um chamado do Fórum das Entidades Nacionais dos SPF, para pressionar o governo federal a abrir negociações efetivas sobre todos os eixos da pauta unificada e dar visibilidade à luta dos servidores nos estados em defesa do serviço público. No momento, diversas categorias do serviço público se encontram em greve ou em estado de mobilização.

Em Brasília (DF), o Comando Nacional de Greve (CNG) dos docentes federais do ANDES-SN realizou um ato em unidade com os servidores do judiciário federal (Fenajufe), em frente ao Congresso Nacional. Milhares de servidores participaram da manifestação com bandeiras e cartazes, nos quais exigiam cumprimento de seus direitos, negociação efetiva e ainda a derrubada do veto ao PLC 28/2015, que repõe perdas salariais da dos trabalh  adores do judiciário. A greve dos docentes federais foi deflagrada no dia 28 de maio e já conta com a adesão de 48 seções sindicais e comandos de greve locais. Confira a lista.

ato spf RR esquerdaNo Rio de Janeiro, os docentes e técnicos das universidades federais do Rio de Janeiro (Ufrj), da Federal Fluminense (UFF), do Estado do Rio de Janeiro (Unirio) e dos institutos federais, realizaram atividades com os estudantes e diversos segmentos do serviço público, com o objetivo de dialogar com a população sobre a greve. Foram desenvolvidos debates, panfletagem, exibição de vídeos, atividades culturais, apresentação das instituições e dos movimentos. Uma passeata também ocorreu no final da tarde em direção ao Ministério da Fazenda. Se uniram ao ato, os servidores do judiciário federal (Fenajufe), da saúde (Fenasps), da previdência (CNTSS), da Fiocruz (Asfoc), os servidores em greve do Incra, Ibama, Funasa, Iphan, Dnocs e ministérios do Trabalho e Emprego, da Saúde e da Agricultura. Em São Paulo (SP), servidores públicos federais, trabalhadores da General Motors e de outras categorias em luta, realizaram ato na Avenida Paulista.

No estado do Pará, os servidores públicos federais fecharam a BR-316, em frente ao Instituto Evandro Chagas (IEC), em Ananindeua. Com faixas e cartazes, a manifestação tinha como intuito pressionar o governo federal a atender as reivindicações da categoria. Durante o protesto, os professores da Universidade Federal do Pará (Ufpa) aproveitaram para distribuir uma carta à população, explicando os motivos da greve e denunciando a intransigência do governo federal, que se recusa a avançar nas negociações. Em Macapá (AP), os docentes da Universidade Federal do Amapá (Unifap) se uniram aos demais servidores federais em ato realizado na Praça da Bandeira.

Em Boa Vista (RR), o Comando Local de Greve (CLG) dos docentes da Universidade Federal de Roraima (UFRR) realizou panfletagem no sinal da Praça Centro Cívico, em frente à Assembleia Legislativa do Estado, expuseram os motivos da greve dos SPF, a postura do governo federal, e o calendário de atividades e, sobretudo, as pautas de reivindicações. O Diretório Central dos Estudantes (DCE) apoiou a ação dos servidores.

Em Belo Horizonte (MG), centenas de estudantes, técnico-administrativos e professores da Universidade Federal de Ouro Preto (Ufop) e do Instituto Federal de Minas Gerais (IFMG), junto com trabalhadores de diversas categorias do serviço público, participaram da passeata que percorreu o trajeto Praça da Estação até a Praça Sete, região central. Com carro de som, faixas, cartazes, palavras de ordem e refrões, os servidores denunciaram as contradições da atual política econômica do governo que corta nas áreas sociais e privilegia o setor financeiro. Ainda em Minas, o Comando Local de Greve da Universidade Federal de Juiz de Fora (UFJF) convocou os docentes a participarem do Ato dos Servidores Públicos Federais. Os manifestantes foram ao ato vestidos de preto e protestaram contra a intransigência do governo em negociar. Docentes do Instituto federal IF-Sudeste-MG também integraram a manifestação.

Na capital Maceió (AL), docentes da Universidade Federal de Alagoas (Ufal) realizaram panfletagem no início da manhã em frente ao campus da universidade. Logo após, em unidade com técnicos e estudantes, seguiram em carreata até uma praça central da cidade onde distribuíram panfletos explicando à população os motivos da greve. Na Bahia, o comando local de greve da Universidade Federal da Bahia (Ufba) realizou o ato em defesa do serviço público no campus da instituição. Os docentes pediram o atendimento das pautas de reivindicações dos servidores.

Unifap 18_08Em Mossoró (RN), os servidores públicos, em greve, realizarão na sexta (21), pela manhã, na praça do Mercado Central da cidade um ato em defesa de um serviço público de qualidade para toda a população e contra os cortes no orçamento. Os servidores ainda caminharão pelas ruas de Mossoró para dar visibilidade ao ato.

Imagens de Adufpa-SSind, Sindufap-SSind e Sesdufrr-SSind.