Atos unificados nos estados cobram resposta do governo à pauta da greve

comando vigiliaAlém dos atos realizados pelos docentes federais em greve, estudantes têm organizado manifestações e ocupações de reitorias como forma de reivindicar melhorias nas IFE

Enquanto o Comando Nacional de Greve (CNG) do ANDES-SN se reunia em Brasília (DF) na quinta-feira (3) com representantes do Ministério da Educação (MEC) para discutir as reivindicações específicas da categoria e cobrar resposta imediata à pauta do movimento, os docentes federais em greve, de todo o país, responderam à orientação do CNG e realizaram manifestações contundentes e unificadas, ao lado de técnicos e estudantes, nas Instituições Federais de Ensino (IFE). O objetivo da realização das diversas atividades nos estados era dar visibilidade à greve e pressionar o governo federal para a abertura das negociações em torno da pauta da categoria docente. Além de forçar os reitores a responderem as pautas locais da categoria e a revelarem o impacto, nas contas das IFE, dos cortes na Educação Federal. Os docentes federais estão em greve há mais de três meses e, atualmente, o movimento paredista conta com a adesão de 49 seções sindicais.

na rua uffNa capital federal, os docentes federais realizaram uma vigília em frente ao MEC, onde ocorria a reunião entre representantes do Ministério e o Comando Nacional de Greve. No Rio de Janeiro, os docentes da Universidade Federal Fluminense (UFF), ao lado dos técnico-administrativos, estudantes, trabalhadores dos movimentos sem-teto (MTST) e demitidos do Comperj e demais movimentos sociais, realizaram mais de oito horas de manifestações em defesa da universidade pública, contra os cortes no orçamento da educação e pelo avanço nas negociações com o governo. Segundo Luciana Collier, integrante do CNG e docente da UFF, a mobilização teve início na manhã de quinta-feira com a ocupação do jardim em frente à reitoria, com todos os manifestantes vestidos de preto em luto pela situação precária em que vive a instituição e pela greve. De tarde, os manifestantes fecharam um cruzamento, segurando faixas e cartazes para expor a sociedade os motivos da greve e as reivindicações da categoria. Após o bloqueio das avenidas, os manifestantes retornaram ao jardim da reitoria e ocuparam o espaço até às 23h. “Foi um ato de sucesso e conseguimos obter o que propomos. Projetamos imagens no prédio da UFF com o que está acontecendo e o que estamos fazendo. Neste sentido, conseguimos abrir as portas para a sociedade e estabelecer um diálogo direto”, contou a docente.

ufpaNo Pará, foi realizada uma vigília na tarde de quinta no mesmo horário da reunião com o MEC, em Brasília. Para mobilizar a categoria, a Associação dos Docentes da Universidade Federal do Pará – Seção Sindical (Adufpa-SSind.) promoveu uma extensa programação cultural, com músicas e danças na Concha Acústica do prédio do Vadião, a fim de congregar os docentes no local e acompanhar as negociações. Pela manhã, uma delegação representativa de professores da Ufpa fortaleceu a mobilização dos SPF em greve. Na Universidade Federal Rural da Amazônia (Ufra), os docentes fecharam os portões da instituição e bloquearam, por cerca de 30 minutos, a Avenida Perimetral. Com carro-som e portões fechados, eles denunciaram a intransigência do governo federal, que insiste em conceder um reajuste de 21,3%, parcelado em quatro anos, que já foi rejeitado pelo funcionalismo federal.

ufra

Em Lavras (MG), centenas de professores, técnicos e estudantes se reuniram na praça central da cidade, em defesa da universidade pública. De acordo com Júlia Moreto Amâncio, integrante do CNG do Sindicato Nacional e docente da Universidade Federal de Lavras (Ufla), houve uma grande adesão da comunidade acadêmica, o que foi resultado de uma intensa mobilização entre os comandos locais de greve da Associação dos Docentes da Ufla (Adufla-SSind.), e dos técnico-administrativos, juntos com o Diretório Central dos Estudantes (DCE) e pós-graduandos. “Essa semana nós protocolamos a nossa pauta interna e estamos aguardando a reposta da reitoria para iniciarmos uma negociação. Enquanto isso, nós realizamos algumas atividades, como uma blitz que parou o trânsito da cidade, fizemos também uma panfletagem em todo o campus e ontem conseguimos reunir cerca de 100 professores na praça principal da cidade e atraímos atenção de toda a mídia regional e estadual para a greve”, contou a docente.

Em Ouro Preto (MG), os docentes do Comando Local de Greve da Associação dos Docentes da Universidade Federal de Ouro Preto – Seção Sindical (Adufop-SSind.) se reuniram com o reitor da Ufop durante a tarde. Eles entregaram um documento com as demandas da categoria, em que reiteraram a manutenção da greve e registraram o que consideram como práticas antissindicais, assédio moral e/ou abuso de autoridade, neste contexto de excepcionalidade de greve. Além destas questões, o documento também solicita informações complementares relativas ao quadro orçamentário e de pessoal.

Em Juiz de Fora (MG), o Comando Local de Greve (CLG) da Associação dos Docentes de Ensino Superior de Juiz de Fora – Seção Sindical (Apes-SSind.) realizou o “Ato Vigília: Reunião MEC e ANDES-SN”, em frente a reitoria da Universidade Federal de Juiz de Fora (UFJF), com cartazes marcando os 100 dias de greve. Um dia antes, o CLG se reuniu com o reitor da instituição para discutir sobre os aspectos orçamentários, financeiros e o andamento das obras da universidade. O reitor se comprometeu a fornecer ao comando esclarecimento oficiais sobre as questões financeiras da UFJF. A reunião faz parte ainda da campanha “Abre as portas reitor (a)”.

UFCG todos os professoresNa Paraíba, em Campina Grande, professores, estudantes e técnico-administrativos da Universidade Federal de Campina Grande (UFCG) realizaram ato público em frente à reitoria da universidade para intensificar a campanha “Abre as contas, Reitor (a)”, para a divulgação dos impactos dos cortes orçamentários na instituição e cobrando respostas do reitor à pauta local dos docentes. Ainda na UFCG, no campus da cidade de Patos, ocorreu uma ação unificada com a realização de uma passeata conjunta dos servidores públicos, das três esferas, saindo de uma praça central até a prefeitura da cidade.

Em Macapá (AP), docentes, técnicos e acadêmicos da Universidade Federal do Amapá (Unifap) realizaram no decorrer do dia várias atividades em consonância com as demais Instituições Federais de Ensino. Pela manhã, a comunidade acadêmica ocupou a entrada da reitoria da universidade. E de tarde ocorreu uma vigília. Camila Lippi, integrante do CNG e docente da Unifap, contou que o ato teve uma boa adesão. “Todos nós estamos sentindo os impactos desses cortes no orçamento da Educação e estamos nos mobilizando contra esses cortes. O momento agora é de pressionar o governo federal a responder a pauta dos docentes. Foi uma manifestação muito bonita”, contou.

apufprEm Goiânia (GO), docentes e técnicos em greve realizaram, pela manhã, uma passeata em unidade com os SPF para pressionar o governo a oferecer uma proposta salarial mais adequada para os servidores. Cerca de 200 pessoas estiveram presentes no ato. Os docentes da Universidade Federal do Paraná (UFPR) realizaram ato em frente à reitoria. No dia anterior, docentes, estudantes e servidores técnico-administrativos em greve do campus Palotina da instituição realizaram uma manifestação no centro da cidade para dialogar com a população. Durante o ato, a comunidade acadêmica usou faixas e camisetas e entregou panfletos para alertar sobre a greve. Além disso, representantes das três categorias fizeram falas sobre os principais problemas que a educação pública vem enfrentando nos últimos tempos.

UFCEm Fortaleza (CE), os docentes, técnicos e estudantes das Universidades Federal do Ceará (UFC), da Integração Internacional da Lusofonia Afro­Brasileira (Unilab), da Federal do Cariri (UFCA) e do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Ceará (IFCE) se uniram aos demais servidores públicos federais de diversas categorias em greve de todo o estado e saíram às ruas em protesto contra o ajuste fiscal, que vem sendo implementado pelo governo federal.

Ocupação estudantil

ufpr-anelAlém dos atos realizados pelos docentes federais em greve nos estados, estudantes também têm organizado manifestações e ocupação de reitorias como forma de reivindicar melhorias nas instituições federais de ensino. Estudantes da Universidade Federal do Ceará (UFC) ocuparam a reitoria no dia 1° de setembro para reivindicar aumento de verbas para a assistência estudantil e um modelo de educação que possibilite a permanência na instituição, bem como democracia e paridade na instituição. Entre as reivindicações estão a ampliação do restaurante universitário, aumento do valor das bolsas, manutenção e ampliação das residências, creche universitária. Os estudantes foram tirados pela Polícia Federal no dia seguinte. Na UFPR, os estudantes ocupam a reitoria desde o dia 31 de agosto contra os cortes de recursos nas instituições de ensino. Eles exigem o pagamento de bolsas em atraso, a manutenção das bolsas-monitorias e o congelamento do valor cobrado no restaurante universitário (RU), em R$ 1,30. Dezenas de estudantes das Casas de Estudante da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (Ufrgs) também estão mobilizados contra os cortes na permanência estudantil.

ufrgs

Os estudantes da Universidade Federal do Amapá (Unifap), junto com Diretório Central dos Estudantes (DCE), ocupam a reitoria desde a última quarta-feira (26). Eles protestam contra os cortes na educação por parte do Governo Federal e contra ataques da atual gestão da reitora.

Na Universidade Federal do Amazonas (Ufam), os estudantes estão acampados na reitoria da instituição, desde segunda-feira (31), como forma de protesto contra o anúncio do início do calendário do segundo semestre para o dia 8 de setembro. Os manifestantes reinvidicam um calendário unificado que inicie apenas após o fim da greve dos docentes.

ocupaçã ufam

Fotos: Aduff-SSind, Adufpa-SSind., Adufcg-SSind, Adufcg-SSind., Adua-SSind, Apufpr-SSind. e Anel.