CNG do ANDES-SN vai à Câmara contra cobrança de cursos de pós-graduação

IMG_1044_BX_selecionada O Comando Nacional de Greve (CNG) do ANDES-SN realizou, na tarde desta quarta-feira (7), uma atividade na Câmara dos Deputados contra a aprovação da Proposta de Emenda à Constituição (PEC) 395/2014, que libera a cobrança de cursos de extensão e mestrado profissional em instituições públicas. Os docentes também usaram o espaço para criticar a violência da Polícia Militar do Distrito Federal na manifestação de greve que ocorreu na última segunda-feira (5), em frente ao Ministério da Educação.

A PEC 395/2014 já foi aprovada na comissão mista que avaliou a matéria e pode ser votada no plenário da Câmara e do Senado a qualquer momento. Nesse sentido, o CNG vem orientando que os docentes também intensifiquem a pressão junto aos deputados federais e senadores, nos estados e no Congresso Nacional, pela rejeição da PEC 395/2014, dando publicidade à Carta aos Parlamentares elaborada pelo Comando de Greve.
IMG_1031Na atividade desta quarta, os representantes do Comando de Greve distribuíram às lideranças de todos os partidos com representação na Câmara um conjunto de documentos que explicam a posição do CNG ANDES-SN contrária à aprovação da PEC. O CNG ANDES-SN considera a medida como mais uma forma de privatização da educação pública, e que pode abrir as portas para posterior cobrança de cursos de graduação e de pós-graduação stricto sensu nas instituições públicas. Antes, o CNG já havia participado de outras atividades nas quais denunciou o caráter privatista da PEC 395. (veja aqui)

Os docentes também entregaram aos deputados uma nota de repúdio à violência policial ocorrida na frente do Ministério da Educação (MEC), no dia 5, quando os manifestantes foram surpreendidos por cassetetes e sprays de pimenta ao se organizar para terminar a manifestação de greve.

IMG_1055_selecionadaBXMariana Moreira, do CNG do ANDES-SN, avaliou positivamente a atividade pelo debate que foi gerado com os parlamentares. “Foi importante porque nós colocamos informações que muitos deputados não conheciam sobre a PEC. Deixamos a reivindicação aos deputados de que o CNG ANDES-SN seja procurado para debater o projeto. Nosso princípio é a defesa da educação pública e acreditamos que o dinheiro público deve ser investido na educação pública, e é necessário que apresentemos essa posição aos deputados porque, no final, são eles que votarão esse projeto”, disse a docente.